Diversidade alfa e beta de fragmentos de Cerrado, região norte da Amazônia legal

Authors

  • Valeria Cardoso Lopes
  • Renata Carvalho da Silva
  • Marcos Vinicius de Melo Amorim
  • Thatiele Pereira Eufrazio de Moraes
  • Amanda Carine Bispo
  • Sergisclei Ferreira Alvarez
  • Tatiana de Souza Lopes
  • Priscila Bezerra de Souza

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n11-197

Keywords:

ecologia, fitofisionomia, fragmentos, pressão antrópica, similaridade

Abstract

O estado do Tocantins já foi detentor dos maiores índices de vegetação remanescente do bioma Cerrado, com cerca de 90% do seu território sob o domínio Cerrado e 9% sob o domínio Amazônico, e está sujeito a pressão antrópica por fazer parte do Matopiba. A coleta de dados foi desenvolvida em três áreas de fitofisionomia de cerrado sensu stricto, inseridas na região norte da Amazônia Legal, sul do estado do Tocantins. Para comparar e avaliar a ecologia alfa entre as comunidades analisadas foram utilizados os índices de diversidade de Shannon-Wienner (H’) e equabilidade de Pielou (J’). A diversidade beta das quatro áreas comparadas foi avaliada através dos índices de similaridade de Sørensen, esse índice compara qualitativamente a presença e ausência de espécies na área, variando em uma escala de 0 a 1, respectivamente. Foram amostrados nos quatro fragmentos de cerrado sensu stricto um total de 6526 indivíduos. A diversidade alfa das áreas comparadas e analisadas apresentaram valores entre 2,842 a 3,65 nats/indivíduo para o índice de Shannon-Weaver e para o índice de Pielou os valores variaram de 0,72 a 0,8. Em realação a diversidade beta, cerca de 70% dos valores foram abaixo de 0,5 de similaridade, o que indica uma diversidade beta elevada.

References

BARROS, R. S. M. Medidas de Diversidade Biológica. Texto elaborado como parte dos requisitos da disciplina Estágio Docência do Programa de Pós-Graduação em Ecologia/UFJF. 2007.

CARVALHO, F. A.; RODRIGUES, V. H. P.; KILCA R. V.; SIQUEIRA A. S.; ARAÚJO, G. M.; SCHIAVINI, I., Composição Florística, Riqueza e Diversidade De Um Cerrado Sensu Stricto No Sudeste Do Estado De Goiás, Biosci. J., Uberlândia, v. 24, n. 4, p. 64-72, 2008.

CARVALHO, F. A.; RODRIGUES, V. H. P.; KILCA R. V.; SIQUEIRA A. S.; ARAÚJO, G. M.; SCHIAVINI, I., Composição Florística, Riqueza e Diversidade De Um Cerrado Sensu Stricto No Sudeste Do Estado De Goiás, Biosci. J., Uberlândia, v. 24, n. 4, p. 64-72, 2008.

CARVALHO, F. A.; FELFILI, J. M., Aplicação da diversidade alfa e beta para definição de áreas prioritárias para conservação: uma análise das florestas deciduais sobre afloramentos calcários no Vale do Paranã, Goiás. Biosci. J., Uberlândia, v. 27, n. 5, p. 830-838, 2011.

FELFILI, J. M.; SILVA JÚNIOR, M. C.; REZENDE, A. V.; MACHADO, J. W. B.; WALTER, B.M.T.; SILVA, P.E.N.; HAY, J. D. Análise comparativa da florística e fitossociologia da vegetação arbórea do cerrado sensu stricto na Chapada Pratinha, DF – Brasil. Revista Acta Botanica Brasilica v.6, p.27-46. 1993.

FELFILI, J. M.; SILVA JÚNIOR; M. C., REZENDE; A. V., NOGUEIRA; P. E., WALTER; B. M. T., FELFILI; M. C.; SILVA, M. A.; IMANÃ ENCINAS. Comparação do Cerrado (sensu stricto) nas Chapadas Pratinha e dos Veadeiros. Pp. 6-11. In: L. L. Leite, C. H. Saito (Eds.). Contribuição ao Conhecimento Ecológico do Cerrado. Departamento de Ecologia - Universidade de Brasília. Brasília. 1997.

FELFILI, J. M.; SILVA JÚNIOR, M. C.; REZENDE, A. V.; NOGUEIRA, P. E.; WALTER, B. M. T.; SILVA, M.; ENCINAS, J. I. Comparação florística e fitossociológica do Cerrado nas Chapadas Pratinha e dos Veadeiros. Brasília: Ed. UNB, 1997.

FELFILI, M. C.; FELFILI, J. M. Diversidade alfa e beta no cerrado sensu stricto da Chapada Pratinha, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Brasília, v. 15, n. 1, p. 243-254, 2001.

FELFILI, J. M.; SILVA JÚNIOR, M. C. (eds.). Biogeografia do Bioma Cerrado: estudo fitofisionômico da Chapada do Espigão Mestre do São Francisco. Universidade de Brasília, Brasília. 152 p. 2001.

FELFILI, J. M.; SILVA JÚNIOR M. C.; SEVILHA A. C.; FAGG C. W.; WALTER B. M. T; NOGUEIRA P. E.; REZENDE A. V. Diversity, floristic and structural patterns of cerrado vegetation in Central Brazil. Pl. Ecol. 175: 37-46. 2004.

FERREIRA, R. Q. S.; OLIVEIRA, C. M.; SOUZA, P. B.; ANDRADE, V. C. L. Fitossociologia e estrutura diamétrica de um cerrado sensu stricto, Gurupi - TO. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento sustentável, v. 10, n. 1, p. 229–235, 2015,

HAMMER, Øyvind; HARPER, David AT. Past: paleontological statistics software package for educaton and data anlysis. Palaeontologia electronica, v. 4, n. 1, p. 1, 2001.

MAGURRAN, A. E. Diversity in space (and time). Measuring biological diversity. Blackwell Science, Malden, Massachusetts, USA, p. 162-184, 2004.

MAGURRAN, A.E. Ecological diversity and its measurement. Chapman and Hall, London. 179p. 1988.

MOURA, I. O.; GOMES-KLEIN, V. L.; FELFILI J. M.; FERREIRA, H. D.; Diversidade e estrutura comunitária de cerrado sensu stricto em afloramentos rochosos no parque estadual dos Pireneus, Goiás. Rev. bras. Bot., São Paulo, v. 33, n. 3, p. 455-467, Sept. 2010.

MUELLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and methods of vegetation ecology. New York: J. Wiley, p.547, 1974.

MYERS, N.; MITTERMEIER, R. A.; MITTERMEIER, C. G.; FONSECA, G. A. B.; KENT, J. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature 403: p. 853-858. 2000.

QUARESMA, C. C.; PEREZ FILHO, A.; DE OLIVEIRA BARBOSA, P.; DE MORAES, M. B.; LÄMMLE, L. Influências da Textura e Temperatura dos Solos Sobre a Regeneração do Cerrado na Estação Ecológica de Jataí–Luiz Antônio/SP-Brasil. Revista do Departamento de Geografia, v. 36, p. 141-154, 2018.

ROCHA, A. A. M.; VALE, V. S. Diversidade alfa e beta de comunidades vegetais de cerrado fragmentos nas beiras de estradas das margens de rodovias. Getec, Monte Carmelo-MG, v. 6, n. 13, p. 1-12, 2017.

SALES, D. P., & NETO, F. M. O. Análise da distribuição das queimadas no cerrado maranhense, Brasil (2014-2018). Revista Meio Ambiente e Sustentabilidade, v. 9, n. 18, 2020.

SEPLAN - SECRETÁRIA DE PLANEJAMENTO DO TOCANTINS. Atlas do Tocantins: subsídios ao planejamento da gestão territorial, Palmas. Atual, v. 6, 2012.

SHEPHERD, G. Fitopac 2.1-Campinas. Departamento de Botânica, Universidade Estadual de Campinas, 2010.

SNEATH, P.H.; SOKAL, R.R. Numerical taxonomy. San Francisco: W. H. Freeman and Company, p.573, 1973.

STRASSBURG, B. B. N.; BROOKS, T.; BARBIERI-FELTRAN, R.; IRIBARREM, A.; CROUZEILES, R.; LOYOLA, R.; AGNIESKA, E. L., FILHO, F. O. J. B.; SCARAMUZZA C. A. M.; SCARANO, F. R.; SOARES-FILHO, B.; BALMFORD, A.; Moment of truth for the Cerrado hotspot. Nature Ecology and Evolution, v. 1, n. 99, p. 1-2, 2017.

TEIXEIRA, M.I.J.; ARAUJO, A.R.B.; VALERI, S.V; RODRIGUES, R.R. Florística e fitossociologia de área de cerrado s.s no município de Patrocínio Paulista, nordeste do Estado de São Paulo. Bragantia, v.63, n.1, p.1-11. 2004.

VESPUCC, I. L., BITTENCOURT, B., MORAES, M., RODRIGUES, V., FERREIRA, M. E. Agricultura na Amazônia legal e sua relação com a expansão dos desmatamentos: uma análise a partir dos dados agropecuários de 2010 a 2016. Enciclopedia Biosfera, v. 15, n. 27, 2018.

VINHOTE, E. G. Mudanças na regeneração natural em uma floresta manejada na Amazônia Central. 2019. 78 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais e Ambientais) - Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2019.

Published

2023-11-29

How to Cite

Lopes, V. C., da Silva, R. C., Amorim, M. V. de M., de Moraes, T. P. E., Bispo, A. C., Alvarez, S. F., Lopes, T. de S., & de Souza, P. B. (2023). Diversidade alfa e beta de fragmentos de Cerrado, região norte da Amazônia legal. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(11), 22244–22258. https://doi.org/10.55905/oelv21n11-197

Issue

Section

Articles

Most read articles by the same author(s)