Vinicultura do vale do São Francisco: explorando as origens e a qualidade através da indicação de procedência

Authors

  • Ricardo Ovídio de Oliveira Lima
  • Maria Emilia Camargo
  • Hermes Oliveira Gomes
  • Andréa Cristina Fermiano Fidelis
  • Tânia Craco
  • Uiliam Hahn Biegelmeyer

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n12-062

Keywords:

vinicultura, Vale do São Francisco, indicação de procedência

Abstract

No presente estudo tentamos explorar a relação entre a Indicação Geográfica (IG) e a valorização dos atributos da região do Vale do São Francisco. Analisamos a concessão da Indicação de Procedência como uma ferramenta crucial para o reconhecimento e a proteção de produtos distintivos associados a essa localidade única. O Vale do São Francisco, caracterizado por sua abundante radiação solar e pelas águas do rio São Francisco, oferece um ambiente propício para a produção de vinhos e outros produtos agrícolas de destaque. A obtenção da Indicação de Procedência (IP) para os vinhos produzidos nessa região requereu a análise dos fatores naturais e humanos que influenciam as características singulares desses produtos. Os fatores naturais, como o clima, o solo e a topografia, conferem qualidades distintas aos vinhos, enquanto os fatores humanos, relacionados às práticas de produção e à experiência dos produtores locais, também desempenham um papel fundamental na qualidade e autenticidade dos produtos. A concessão da IP proporciona uma identidade única aos produtos da região, agregando valor e permitindo que se destaquem no mercado. Além disso, a proteção conferida resguarda os produtores contra imitações e falsificações, garantindo a autenticidade e a reputação da região. Esse reconhecimento também estimula o turismo e impulsiona o desenvolvimento econômico da região, promovendo a sustentabilidade e a preservação da rica herança cultural associada aos produtos locais.

References

ALMEIDA, M. B. Noções básicas sobre Metodologia de pesquisa científica. Universidade Federal de Minas Gerais. Disponível em https://mba.eci.ufmg.br/down-loads/metodologia.pdf Acesso em 26 ago. de 2023.

AURIER, Philippe; FORT, Fatiha ; SIRIEIX, Lucie. Exploring terroir product meaning for the consumer. Anthropology of Food. 2005. Disponível em: http://aof.revues.org/document187.html#texte . Acesso em 26 ago. de 2023.

BARBOSA, D. Introdução a Propriedade Intelectual. 2020. Disponível em: http://www.denisbarbosa.addr.com/arquivos/livros/umaintro2.pdf. Acesso em 28 ago. de 2023.

BARBOSA, Denis Borges. Uma Introdução A Propriedade Intelectual. Lumen Juris; 2ª edição, 2003.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. Disponível em:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/ConstituicaoCompilado.htm. Acesso em: 30 ago. de 2023.

BRASIL. INPI - Instituto Nacional da Propriedade Industrial. Indicação Geográfica no Brasil. 2021. Disponível em: <https://www.gov.br/inpi/ptbr/. Acesso em: 02 set. de 2023.

BRASIL. INPI - Instituto Nacional da Propriedade Industrial. Revista da Propriedade Industrial (RPI) nº 2.704. Disponível em: http://revistas.inpi.gov.br/pdf/Indicacoes_Geograficas2704.pdf. Acesso em: 13 set. de 2023

BRASIL. Lei nº 9279, de 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Lex. Brasília, DF, 14 maio 1996. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9279.htm . Acesso em: 30 ago. de 2023.

DALLABRIDA, V. R. Governança Territorial: o debate teórico, desafios e proposta metodológica para avaliação de sua prática. Lisboa: Instituto de Ciências Sociais/ Universidade de Lisboa, 2014.

GODOY, Arilda S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de administração de empresas. São Paulo, v.35, n.2, p.57-63.Mar/Abr, 56 1995. Disponível em: http://rae.fgv.br/sites/rae.fgv.br/files/artigos/10.1590_S0034- 75901995000200008.pdf. Acesso em: 30 ago. de 2023.

HARVEY, David. Condição Pós-Moderna. 17. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2008.

INAO. Institut National De L’origine Et De La Qualite. Guide du demandeur d’une appellation d’origine (A.O.C. / A.O.P.): version n°4. Paris, 2007.

Instrução Normativa n° 12 do INPI. Disponível em: https://www.gov.br/inpi/pt-br/backup/centrais-de-conteudo/legislacao/IN1122019.pdf. /. Acesso em: 02 set. de 2023.

MARCONI, Marina de Andrade e LAKATOS, Eva Maria. Metodologia científica. 7ed. São Paulo, Atlas, 2018.

KRÜCKEN-PEREIRA, L. O processo de valorização de produtos alimentícios através das denominações de origem e qualidade: uma abordagem de gestão do conhecimento. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Florianópolis: UFSC, 2001.

MEDEIROS, M. de L. Indicações geográficas, turismo e desenvolvimento territorial: uma análise sistêmica da indicação de procedência do queijo minas artesanal do Serro. Tese (Doutorado em Administração de Organizações) – Ribeirão Preto: USP, 2015.

MEDEIROS, M. de L.; PASSADOR, J. L. Indicações geográficas e turismo: possibilidades no contexto brasileiro. Perspectivas Contemporâneas, v. 10, n. 3, p. 56-79, set./dez. 2015.

ORTH, U. R.; KRSKA, P. Quality signals in wine marketing: the role of exibition award. International Food and Agribusiness Management Review, Texas, n. 4, p. 385-397, 2002.

LOCKSHIN, Larry et al. Using simulations from discrete choice experiments to measure consumer sensitivity to brand, region, price, and awards in wine choice. Food Quality and Preference, Inglaterra, v. 17, p. 166-178, July 2006.

PELLIN, V.; VIEIRA, A. C. P. Indicações geográficas no Brasil: uma perspectiva pro- -registro. In: LOCATELLI, L. (Org.). Indicações geográficas: desafios e perspectivas nos 20 anos da Lei de Propriedade Industrial. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2015,

WIPO - WORLD INTELLECTUAL PROPERTY ORGANIZATION. World Intellectual Property Indicators 2018. Disponível em: . Acesso em: 10 set. de 2023

Published

2023-12-08

How to Cite

Lima, R. O. de O., Camargo, M. E., Gomes, H. O., Fidelis, A. C. F., Craco, T., & Biegelmeyer, U. H. (2023). Vinicultura do vale do São Francisco: explorando as origens e a qualidade através da indicação de procedência. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(12), 24558–24575. https://doi.org/10.55905/oelv21n12-062

Issue

Section

Articles

Most read articles by the same author(s)