Formação de idosos da faculdade aberta à terceira idade: ações, implicações e desafios do ensino da língua inglesa

Authors

  • Francisco de Assis Silva Panta
  • Joyce Martins de Sá Santos
  • Zaira Dantas de Miranda Cavalcanti
  • Edivaldo Xavier da Silva Júnior
  • Diego Felipe dos Santos Silva
  • Thereza Christina da Cunha Lima Gama

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n11-256

Keywords:

educação, terceira idade, ensino, língua inglesa

Abstract

Este artigo visa relatar os resultados de uma pesquisa acerca de um curso de Língua Inglesa ofertado a este público pela Faculdade Aberta à Terceira Idade (FATI), um programa de extensão desenvolvido em parceria pela Universidade de Pernambuco Campus Petrolina com a Faculdade de Petrolina. O presente estudo teve por objetivo principal analisar o processo de ensino-aprendizagem desse idioma nesse contexto, bem como, especificamente, refletir acerca da possibilidade de seus benefícios, investigar a receptividade da abordagem metodológica utilizada, assim como avaliar o curso de inglês a partir da experiência de participantes. Trata-se de um estudo de campo, de cunho qualitativo e descritivo. Os resultados apontam que os participantes reconhecem os benefícios de aquisição de um novo idioma, apresentam um adequado nível de aprendizagem e avaliam positivamente o curso.

References

ALMEIDA FILHO, J.C.P. Dimensões comunicativas no ensino de línguas. 8. ed. Campinas: Pontes, 2015.

AMORIM, Silvia Miranda; FRANÇA, Lucia Helena. Razões para aposentar e satisfação na aposentadoria. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 35, 2019.

BELLA, M. A. D. G. A. O ensino de idiomas para a terceira idade: Enfoque específico no ensino de língua italiana. 2007. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

CLARKSON, Elizabeth Falcão. Os sentidos da velhice e a promoção do envelhecimento ativo: desafios educativos no contexto brasileiro. 2022.

CONFORTIN, H. O aprendizado de língua estrangeira por adultos: reflexões necessárias. PERSPECTIVA, Erechim. v. 37, n. 140, p. 7-18, dezembro/2013.

CORRÊA, Arlindo Júnior et al. A experiência de desenvolvimento de um curso de extensão por licenciandos de espanhol. Além dos Muros da Universidade, v. 6, n. 2, p. 25-35, 2021.

COSTA-SILVA, Dione Uester et al. Movimentos de giro no olhar sobre tornar-se velho/a: uma experiência de formação sobre o ensino de língua inglesa para/com pessoas 60+. 2021.

DE LIRA, Wellington Marinhox. A competência comunicativa intercultural na língua estrangeira como meio de promoção da dignidade humana e da justiça social em alunos do ensino médio do Estado de Pernambuco. 2021. Tese de Doutorado. Universidade do Minho (Portugal).

DUARTE, Larissa Gouveia; DA SILVA, Jeander Cristian. O LINGUEE COMO FERRAMENTA NO ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ATRAVÉS DA TRADUÇÃO COMO ATIVIDADE CONTRASTIVA. In: Anais do Encontro Virtual de Documentação em Software Livre e Congresso Internacional de Linguagem e Tecnologia Online. 2021.

FARBER, Sonia Sirtoli. Envelhecimento e elaboração das perdas. A terceira idade, v. 23, n. 53, p. 7-17, 2012.

GAMA, Thereza Christina da Cunha Lima. Avaliação do conhecimento do direito e da saúde do idoso na perspectiva da educação popular. 2017.

GARCIA, C. de P. et al. Multiletramentos no ensino público: desafios e possibilidades. Revista Práticas de Linguagem, v. 6 especial – Escrita discente – 2016.

GODOY, A. S. PESQUISA QUALITATIVA TIPOS FUNDAMENTAIS. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 3, p. 20-29 mai./Jun. 1995.

HARMER, J. How to teach english Sixth impression. 6. ed. UK: Pearson Education Limited, 2010.

LEFFA, V. J. Metodologia do ensino de línguas. In: BOHN, H. I.; VANDRESEN, P. Tópicos em lingüística aplicada: O ensino de línguas estrangeiras. Florianópolis: UFSC, 1988. p. 211-236.

MENEZES, Stella Ferreira et al. (Im) possibilidades de tomada da palavra em língua inglesa por alunos da Terceira Idade. 2017.

NUNES, C. C. Reflexões sobre a abordagem comunicativa no ensino de línguas estrangeiras. Entretextos, Londrina, v. 18, n. 1, p. 219 - 241, jan./ jun. 2018.

ORDONEZ, Tiago Nascimento; CACHIONI, Meire. Motivos para frequentar um programa de educação permanente: relato dos alunos da universidade aberta à terceira idade da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo. Revista brasileira de geriatria e gerontologia, v. 14, p. 461-474, 2011.

PANTA, S. Francisco de Asiss; CAVALCANTI, Zaira Dantas de M. Ensino de línguas na terceira idade: em busca de melhor qualidade de vida. In: GAMA, Thereza Christina da Cunha Lima Experiências exitosas da Faculdade Aberta da Terceira Idade (FATI): 1ª Ed- Petrolina PE: Editora Vecchico, 2019, 122p.

PIZZOLATO, C. E. A sala de aula de língua estrangeira com adultos de terceira idade. 2009. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Unicamp, Campinas, São Paulo, 1995.

PORTO, Maria Augusta Rocha. Tempo cognitivo e tempo social nas aulas de inglês para a envelhescência e terceira idade. 2017.

SOUZA, A. da S. M. Plasticidade cerebral e aprendizagem. Dissertação (Especialização em Neurociência Pedagógica) 2013.

VALOES, L. de. Importance of Language – Why Learning a Second Language is Important. AdjunctTrinity Washington University, 2014.

VELASQUES, B. B.; RIBEIRO, P. Neurociências e Longevidade: Sobre o Envelhecimento Saudável e Patológico. 1. ed. Rio de Janeiro: Rubio, 2018.

VILLAVERDE, Adão et al. Fundamentos teóricos e metodológicos da pesquisa em educação em ciências. Editora Bagai, 2021.

ZANETTE, Marcos Suel. Pesquisa qualitativa no contexto da Educação no Brasil. Educar em Revista, p. 149-166, 2017.

Published

2023-11-29

How to Cite

Panta, F. de A. S., Santos, J. M. de S., Cavalcanti, Z. D. de M., da Silva Júnior, E. X., Silva, D. F. dos S., & Gama, T. C. da C. L. (2023). Formação de idosos da faculdade aberta à terceira idade: ações, implicações e desafios do ensino da língua inglesa. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(11), 23321–23339. https://doi.org/10.55905/oelv21n11-256

Issue

Section

Articles