O potencial energético renovável do Brasil como vetor apto a retardar a mudança climática

Authors

  • Sabrina Frigotto
  • André Lemuel Ferreira Krieguer
  • Pedro Henrique Willimann dos Anjos
  • Felipe Hepp
  • Rodrigo Regert
  • Adriana Pereira Benjamini
  • Joel Haroldo Baade

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n10-169

Keywords:

sustentabilidade, mudanças climáticas, energia renovável

Abstract

O conceito de sustentabilidade abrange a interação do ser humano com a natureza, visa à preservação do planeta e o atendimento das necessidades humanas. O tripé da sustentabilidade envolve os princípios social, ambiental e econômico. Adotar práticas sustentáveis no setor empresarial pode resultar em redução de custos e aumento dos lucros. As mudanças climáticas impactam diretamente nos agricultores, que dependem dessas para suas produções. No Brasil, a transição para uma matriz energética mais sustentável promove o crescimento econômico, gera empregos, atrai investimentos e contribui para enfrentar as mudanças climáticas. Essa transição requer planejamento e políticas públicas abrangentes. O presente estudo pretende analisar a correlação entre o potencial energético renovável do Brasil e como isso poderia ser utilizado para retardar o quadro da mudança climática a nível global. Este estudo possui natureza básica, abordagem qualitativa, pesquisa exploratória e o procedimento metodológico caracteriza-se como bibliográfico. Ao adotar medidas sustentáveis, o Brasil fortalece sua posição como líder no setor de energia renovável e contribui para um futuro sustentável.

References

ALMEIDA, J. R. et al. Política e Planejamento Ambiental. Rio de Janeiro: Thex, 2005.

BAADE, J. H. .; ERANDI BRANDENBURG, L. .; GONZÁLEZ VELASCO, J. M. . Dicotomia, complexidade e educação para a cidadania. Revista Polyphonía, Goiânia, v. 31, n. 1, p. 85–103, 2020. DOI: 10.5216/rp.v31i1.66947. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sv/article/view/66947. Acesso em: 31 ago. 2023.

BARBOSA, P. R. A. Índice de sustentabilidade empresarial da bolsa de valores de São Paulo (ISE-BOVESPA): exame da adequação como referência para aperfeiçoamento da gestão sustentável das empresas e para formação de carteiras de investimento orientadas por princípios de sustentabilidade corporativa. 2007. Dissertação (Mestrado em Administração) - Universidade Federal do Rio de Janeiro –UFRJ, Instituto COPPEAD de Administração, 2007.

BONDARIK, Roberto; PILATTI, Luiz Alberto; HORST, Diogo José. Uma visão geral sobre o potencial de geração de energias renováveis no Brasil. Disponível em: https://www.redalyc.org/journal/339/33957861002/33957861002.pdf. Acesso em: 14 maio 2023.

BRASIL. Constituição da República Federativa Do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

CABRAL, Luciano Cristian; REI, Fernando Cardozo Fernandes. As mudanças climáticas e um novo olhar sobre o ártico. LEOPOLDIANUM, 2022, 48.136. Disponível em: https://periodicos.unisantos.br/leopoldianum/issue/download/121/101. Acesso em: 15 maio 2023.

DE SOUSA, Flávia Cristina Dias Lopes; SENRA, Ronaldo Eustáquio Feitosa. Mudanças climáticas e as percepções da juventude do Assentamento Egídio Brunetto/MST/MT. Perspectivas em Diálogo: Revista de educação e sociedade, 2021, 8.18: 226-243. Disponível em: https://trilhasdahistoria.ufms.br/index.php/persdia/article/view/12996. Acesso em: 15 maio 2023.

DIAS, Reinaldo. Gestão ambiental: responsabilidade social e Sustentabilidade. São Paulo: Atlas, 2006.

EPE - Empresa de Pesquisa Energética. Balanço Energético Nacional, Rio de Janeiro. Ministério de Minas e Energia do Brasil, p. 16, 2013.

FEARNSIDE, Philip Martin. Impactos Ambientais de grandes empreendimentos e das mudanças climáticas sobre a biodiversidade. Simpósio Nacional de Taxonomia e Biodiversidade, 1º a 3 de dezembro de 2009, pg. 10-10, 2009. Disponível em: http://philip.inpa.gov.br/publ_livres/resumos%20e%20anais/FIOCRUZ-Grandes%20empreend%20e%20mud%20climatica.pdf. Acesso em: 15 maio 2023.

FEIL, A. Alexandre; SCHREIBER, Dusan (2017) Sustentabilidade e desenvolvimento sustentável: desvendando as sobreposições e alcances de seus significados. Caderno EBAPE, v. 14, 667-681 nº3, Artigo 7, Rio de Janeiro. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1679-395157473.

MCNUTT, Marcia. Climate change impacts. Science, 2013, 341.6145: 435-435. Disponível em: https://www.science.org/doi/full/10.1126/science.1243256. Acesso em: 15 maio 2023.

OLIVEIRA, GS de; VECCHIA, Francisco Arthur Silva. Mudanças climáticas. Engenharia Ambiental: Conceitos, Tecnologia e Gestão. 1ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013, 1: 367-400. Disponível em: http://www.cppse.embrapa.br/redepecus/sites/default/files/principal/publicacao/Pecuaria%20em%20sistemas%20integrados%20e%20as%20mudan%C3%A7as%20clim%C3%A1ticas%20-%20Revista%20Opini%C3%B5es.pdf. Acesso em: 15 maio 2023.

TINOCO, Prudêncio; KRAEMER, J.E Pereira; M. E. Contabilidade E Gestão Ambiental. São Paulo: Editora Atlas S.A, 2011.

VARRICHIO, P.; DIOGENES, D.; JORGE A.; GARNICA L.. Collaborative Networks and sustainable business: a case study in the Brazilian System of Innovation. Procedia - Social and Behavioral Sciences, Chipre, v. 52, p. 6-9, 2012.

VERGES, João Vitor Gobis; NUNES, João Osvaldo Rodrigues. Mudanças climáticas e movimentos sociais do campo. Geografia (Londrina), 2018, 27.2: 29-49. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/geografia/article/view/29817. Acesso em: 15 maio 2023.

VINHA, V. As empresas e o desenvolvimento sustentável: da eco-eficiência à responsabilidade social corporativa; In: MAY, P.H.; LUSTOSA, M. C.; VINHA, V. (Org.). Economia do Meio ambiente: teoria e prática. 6 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

Published

2023-10-23

How to Cite

Frigotto, S., Krieguer, A. L. F., dos Anjos, P. H. W., Hepp, F., Regert, R., Benjamini, A. P., & Baade, J. H. (2023). O potencial energético renovável do Brasil como vetor apto a retardar a mudança climática. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(10), 17662–17677. https://doi.org/10.55905/oelv21n10-169

Issue

Section

Articles