Conservação in vitro de grãos de pólen de mangabeira em diferentes condições de armazenamento

Authors

  • Letícia Bispo da Rocha
  • Gilmara da Silva Freire
  • Ana Veruska Cruz da Silva
  • Ana da Silva Ledo

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n10-087

Keywords:

Hancornia speciosa, criopreservação, tubo polínico

Abstract

Técnicas complementares de conservação como a criopreservação, representam uma opção segura e econômica para a conservação em longo prazo de germoplasma de espécies de sementes não ortodoxas, como é o caso da mangabeira. O sucesso da conservação do pólen depende de vários fatores, como o estádio fenológico da flor, a temperatura e umidade relativa do ambiente de armazenamento, assim como o seu próprio grau de umidade. O objetivo deste trabalho foi avaliar a viabilidade in vitro do pólen desidratado de mangabeira em temperatura ambiente e a conservação em temperaturas baixas. As inflorescências de quatro acessos foram coletadas do Banco de Germoplasma de Mangaba (acessos CP, GU, IP e PA), localizado no município de Itaporanga d’Ajuda, Sergipe, Brasil. O experimento foi realizado no laboratório de Cultura de Tecidos de Plantas da Embrapa Tabuleiros Costeiros. As inflorescências em pré-antese foram coletadas e, em laboratório, abertas cortando-se a parte do receptáculo até o pedicelo. Os grãos de pólen foram retirados das anteras com auxílio de um bisturi e pinça e inoculados em placas de Petri com meio de cultura de Lora, mantidos em temperatura ambiente por 0, 24, 48 e 72 horas. Para estudos de conservação foram colocados em criotubos para e armazenados no ultrafreezer (-20 ºC e -80 ºC), freezer (-4 ºC) e nitrogênio líquido (-196 ºC). Os dados da viabilidade do pólen dos ensaios foram submetidos à análise da variância pelo teste F a 5% de significância. Para os fatores qualitativos (acesso e condições de armazenamento) as médias foram comparadas pelo teste de Tukey 5% de probabilidade. Para os fatores quantitativos (tempo de desidratação) foram estimadas equações de regressão. Os resultados obtidos em relação à viabilidade in vitro dos grãos de pólen em temperatura ambiente demonstraram que os acessos CP e PA tiveram comportamento semelhante com as maiores porcentagens de germinação. O acesso CP teve a viabilidade máxima de 79,08% no tempo de 24h, a porcentagem do acesso PA foi de 72,12% no tempo 0. Em relação à conservação, as maiores médias de viabilidade por crescimento do tubo polínico foram observadas no acesso IP, com 53,38% e CP, com 38,34% a - 80 ºC após 72h de desidratação inicial das flores em sílica gel.

References

ASSIS, T. F.; BAUER, J. F.; TAFAREL, G. Sintetização de híbridos de Eucalyptus por cruzamentos controlados. Ciência Florestal, v. 3, n. 1, p. 161-170, 1993.

CARVALHO, V. S. Criopreservação de sementes e pólen de orquídeas. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa, 2006, 69f. Tese (Doutorado) - Pós Graduação em Fitotecnia, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2006.

EINHARDT, P. M.; CORREA, E. R.; RASEIRA, M. C. B. Comparação entre métodos para testar a viabilidade de pólen de pessegueiro. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 28, n. 1, p. 5-7, 2006.

GALETTA, G. J. Pollen and seed management. In: MOORE, J. N.; JANIK, J. (Ed.). Methods in fruit breeding, Indiana: Purdne Universitz Press, p. 23-47, 1983.

GIORDANO, L. B.; ARAGÃO, F. A. S.; BOITEUX, L. S. Melhoramento genético do tomateiro. Informe Agropecuário, v. 24, n. 219, p. 43-57, 2003.

LORA, M. A. J.,; OTEYZA, P. de; FUENTETAJA, P.; HORMAZA, J. I. Low temperature storage and in vitro germination of cherimoya (Annona cherimola Mill) pollen. Scientia Horticulturae, v. 1, p. 91-94, 2006.

PASSOS, R. R.; VIEIRA, L. de J.; OLIVEIRA, T. da S.; SANTANA, J. R. F.; LEDO, C. A. da; ALVES, A. A. C.; SOUZA, F. V. D. Desidratação de grãos de pólen de diferentes subespécies de M. esculenta. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE RECURSOS GENÉTICOS VEGETAIS, 2., Belém, Anais... 2010.

PIO, L. A. S.; SANTOS, F. C.; RUFINI, J. C. M.; RAMOS, J. D.; ARAÚJO, A. G. Germinação in vitro de pólen de citros sob diferentes concentrações de cálcio e boro. Revista Brasileira de Agrociência, v.10, n. 3, p. 293-296, 2004.

SANTOS-SEREJO, J. A.; MENEZES, M. C.; SOUZA, F. V. D. Efeito da desidratação na viabilidade de pólen de bananeira. Anais... Congresso Brasileiro de Recursos Genéticos, Belém, PA. Brasília, DF: Sociedade Brasileira de Recursos Genéticos, 2012.

SHIVANNA, R. K.; RANGASWAMY, S. N. Pollen biology. New Delhi: Laboratory Manual, p. 23-31, 1992.

SILVA JUNIOR, J. F. da; LEDO, A. da S.;SILVA, A. V. C.; FERREIRA, E. G.; MOTA D. M. da; ALVES, R. E.; LEMOS, E. E. P. de. Hancornia speciosa mangaba, In: CORADIN, L.; CAMILLO, J.; PAREYN, F. G. C. (Org.). Espécies nativas da flora brasileira de valor econômico atual ou potencial plantas para o futuro: região Nordeste. 2ed. Brasilia: MMA, 2018, p. 177-192.

SOUSA-LANG, V, A,; PINTO JUNIOR, J. E. Efeito da concentração de ágar na germinação in vitro de pólen de Araucaria angustifolia (Bert,) O, Kuntze, Boletim de Pesquisa Florestal, n,3 4, p, 55-63,1997.

SOUZA, M. M.; PEREIRA, T. N. S.; MARTINS, E. R. Microsporogênese e microgametogênese associadas ao tamanho do botão floral e da antera e viabilidade polínica em maracujazeiro amarelo (Passiflora edulis Sims f. flavicarpa Degener). Ciência e Agrotecnologia, v. 26, n. 6, p. 1209-1217, 2002.

Published

2023-10-13

How to Cite

da Rocha, L. B., Freire, G. da S., da Silva, A. V. C., & Ledo, A. da S. (2023). Conservação in vitro de grãos de pólen de mangabeira em diferentes condições de armazenamento. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(10), 16111–16121. https://doi.org/10.55905/oelv21n10-087

Issue

Section

Articles

Most read articles by the same author(s)