Itinerâncias entre teoria e prática: tecnologias assistivas, prática pedagógica e inclusão

Authors

  • Maria do Carmo Passos
  • Elen Gomes Pereira
  • Maria da Conceição Nogueira Correia
  • Cristina de Araújo Ramos Reis
  • Luciene Leal Alves Goes dos Santos
  • Edmara de Queiroz Rocha
  • Maria Inês Corrêa Marques

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n9-109

Keywords:

tecnologia assistiva, prática pedagógica, inclusão escolar

Abstract

O presente texto investiga sobre as dificuldades vivenciadas pelos professores no trabalho pedagógico com alunos com deficiência na escola regular e analisa como o uso das Tecnologias Assistivas (TA) podem ser importantes aliadas no processo de construção de autonomia desses estudantes no ensino regular. Consideramos importante refletir sobre estratégias e recursos das TA e outras tecnologias, para encontrar caminhos e apoios necessários para que o direito de aprender do aluno seja efetivado a partir da inserção dessas tecnologias como recursos que possibilitem acessibilidade e, portanto autonomia para seu desenvolvimento cognitivo. A opção metodológica adotada foi o estudo de caso, em que a observação participante se fez presente no atendimento em escola de educação básica. Desta forma, se propôs a articular diálogos entre a teoria e práticas inclusivas nas escolas públicas regulares de Salvador, tecendo fios conceituais sobre as tecnologias assistivas enquanto possibilidades de inclusão de alunos com deficiência na escola regular. Convidamos para o diálogo, importantes teóricos que embasaram esta análise. Como resultado deste estudo pudemos constatar aspectos como a falta de formação continuada de professores e a ausência de conhecimento quanto ao uso de aparatos tecnológicos para que os estudantes fossem incluídos nos processos escolares com mais autonomia. Concluímos que as dificuldades para o trabalho pedagógico com estudantes com deficiência é resultado da ausência de investimentos na formação do professor e na infraestrutura em TA nas escolas. Este estudo poderá contribuir para a criação de políticas públicas mais eficazes, como também, para novas pesquisas sobre esta temática.

References

Agência Brasil (2019). https://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2019-01/cresce-o-numero-de-estudantes-com-necessidades-especiais#:~:text=Em%202014%2C%20eram%20886.815%20os,10%2C8%25%20nas%20matr%C3%ADculas

Ainscow, M. (2009). Tornar a educação inclusiva: como esta tarefa deve ser conceituada? In: Favero, O., Ferreira, W., Ireland, T. & Barreiros, D. (Org.). Tornar a educação inclusiva. Unesco. Anped. http://unesdoc.unesco.org/images/0018/001846/184683por.pdf.

Amorim, A., Paraguay, A.I.B.B., Barbosa, E.M.F. Spelta, L.L., Martinelli, M.A., Bersch, R.C.R. & Galvão, T., Filho (2009). Comissão Temática 1: Conceituação e Estudo de Normas. In: Brasil. Subsecretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Tecnologia Assistiva.

Brasil (2008). Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. MEC/SEESP. http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/politica.pdf.

Brasil (2013), Documento Orientador Escola Acessível. MEC/SECADI. http://portal.mec.gov.br/expansao-da-rede-federal/194-secretarias-112877938/secad-educacao-continuada-223369541/17428-programa-escola-acessivel-novo.

Diniz, D. (2007). O que é deficiência. Editora Brasiliense.

Flick, U. (2009). Introdução a Pesquisa Qualitativa (3ª ed.). Artmed.

Galvão, T., Filho (2013). A construção do conceito de Tecnologia Assistiva: alguns novos interrogantes e desafios. Revista da Faced. Entreideias: Educação, Cultura e Sociedade. 2(1), 25-42. http://www.galvaofilho.net/TA_desafios.htm.

Galvão, T., Filho (2016). Deficiência intelectual e tecnologias no contexto da escola inclusiva. In: Gomes, C. (org.). Discriminação e racismo nas Américas: um problema de justiça, equidade e direitos humanos (pp. 305-321). CRV. http://www.galvaofilho.net/DI_tecnologias.htm.

Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Lei Brasileira de Inclusão: Estatuto da Pessoa com Deficiência. https://www.cnmp.mp.br/portal/images/lei_brasileira_inclusao_pessoa_deficiencia.pdf.

Libâneo, J. C. (2010). Adeus professor, adeus professora?: novas exigências educacionais e profissão docente. Cortez.

Lima, A. S., Jr. (2005). Tecnologias inteligentes e educação: currículo hipertextual. Quartet. Fundesf.

Mantoan, M. T. E. (2003). Inclusão Escolar: o que é? por quê? como fazer? Moderna. https://files.cercomp.ufg.br/weby/up/211/o/INCLUS%C3%83O-ESCOLARMaria-Teresa-Egl%C3%A9r-Mantoan-Inclus%C3%A3o-Escolar.pdf.

Mantoan, M. T. E. & Santos, M. T. T. (2010). Atendimento educacional especializado: políticas públicas e gestão nos municípios. Moderna.

Sartoretto, M. L. (2010). Como avaliar o aluno com deficiência?. www.assistiva.com.br.

YIN, R. K (2005). Estudo de caso:planejamento e métodos (2ª ed). Bookman.

Published

2023-09-23

How to Cite

Passos, M. do C., Pereira, E. G., Correia, M. da C. N., Reis, C. de A. R., dos Santos, L. L. A. G., Rocha, E. de Q., & Marques, M. I. C. (2023). Itinerâncias entre teoria e prática: tecnologias assistivas, prática pedagógica e inclusão. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(9), 12532–12544. https://doi.org/10.55905/oelv21n9-109

Issue

Section

Articles