Atividade física e qualidade de vida de professores da educação infantil

Authors

  • Juliana Nascimento da Silva
  • Sara Farias Oliveira
  • Priscila Bezerra de Lima
  • Daliane Ferreira Marinho
  • Elidiane Moreira Kono
  • Gabriela Amorim Barreto
  • Mariana dos Anjos Furtado de Sá
  • Renata Pessoa Portela

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n10-111

Keywords:

qualidade de vida, atividade física, docente, saúde mental

Abstract

OBJETIVO: Avaliar o nível de atividade física e sua relação com a qualidade de vida, identificando queixas de dor ao sistema musculoesquelético e a condição de saúde mental dos professores da educação infantil. MÉTODOS: Trata-se de um estudo de natureza quantitativa, descritiva e transversal, desenvolvido na cidade de Santarém, no estado do Pará. A pesquisa conta com uma amostra composta por 36 professores ativos e atuantes na educação infantil. A fim de contemplar o objetivo proposto do estudo, utilizou-se os seguintes instrumentos: World Health Organization Quality of Life Group (WHOQOL-BREF), o Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ), Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares (QNSO) e Depression Anxiety and Stress Scale (DASS-21). RESULTADOS: Observou-se que 40,62% se encontram irregularmente ativas, sendo que 34% apresentaram-se satisfeitas com a saúde e 41% encontraram-se satisfeitas com sua qualidade de vida, nos últimos 12 meses apresentaram queixa de dor ou formigamento/dormência, sendo os punhos/mãos, as regiões mais citadas (43,75%), seguido de tornozelo/pé e parte de cima das costas (37,50%). Quando correlacionado a qualidade de vida com a atividade física das professoras, aquelas que apresentaram uma qualidade de vida boa (41%), 43,75% encontraram-se muito ativa/ativa, 46,15% são irregularmente ativas e aquelas que consideravam sua qualidade de vida má (6%), 12,50% encontraram-se muito ativa/ativa. Por fim, em relação aos sintomas emocionais e a qualidade de vida destas, nota-se que 71% demonstraram normalidade quanto aos aspectos emocionais e 36% exibiram severidade nestes. CONCLUSÃO: Conclui-se que a maioria das professoras não mantém regularidade na prática de atividades físicas. No entanto, uma proporção considerável delas relata satisfação em relação à saúde e à qualidade de vida. Paralelamente, evidenciou-se a presença de desconfortos físicos e desafios no âmbito da saúde mental.

References

ALENCAR, Gildiney Penaves et al. Fatores associados aos sintomas osteomusculares e à prática de atividade física em professores da educação básica de Campo Grande/MS. Research, Society and Development, v. 11, n. 6, 2022.

ARANTES, Aline Evelin da Silva; LOPES, Sandra Ribeiro de Almeida. Sintomatologia depressiva em docentes e suas possíveis consequências no tocante à qualidade de vida. Psicologia e Saúde em debate, v. 5, n. 2, p. 24-42, dez. 2019.

ASSUNÇÃO, Ada Ávila; ABREU, Mery Natali Silva. Pressão laboral, saúde e condi-ções de trabalho dos professores da Educação Básica no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 35, 2019.

BIERNAT, E.; POZNAŃSKA, A.; GAJEWSKI, A. K. Determinants of health oriented physical activity among Warsaw teachers. Przegl Epidemiol. v. 66, n. 1, p:119-26, 2012.

BRASIL. Decreto n°8.213, de 24 de julho de 1991. Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. Disponível em: Acesso em: 10 de agosto de 2022.

CASTRO, Ralph et al.Terapia comunitária sistêmica e integrativa como instrumento de avaliação e diagnóstico da saúde de servidores da secretaria de educação de Uberaba-MG.Temas em Educação e Saúde. v. 12, n.1, p. 85-95, 2016.

CONCEIÇÃO, José Bossle; BELLINATI, Natália Veronez da Cunha; AGOSTINETTO, Lenita. Percepção de estresse fisiológico em professores da rede pública de educação municipal. Psicologia, Saúde & Doenças, v. 20, n. 2, p. 452-462, 2019.

FERNANDES, Marcos Henrique; ROCHA, Vera Maria da; COSTA-OLIVEIRA, Angelo G Roncalli da. Fatores associados à prevalência de sintomas osteomusculares em professores. Revista de salud pública, v. 11, n. 2, p. 256-267, 2009.

FERREIRA, Joice Kely Ribeiro. Condições laborais e de saúde de professores de educação infantil do município de ariquemes no estado de rondônia. ARTEFACTUM-Revista de estudos em Linguagens e Tecnologia, v. 21, n. 1, 2023.

FILLIS, Michelle Moreira Abujamra et al. Frequência de problemas vocais autorreferidos e fatores ocupacionais associados em professores da educação básica de Londrina, Paraná, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 32, 2016.

FOLLE, A.; FARIAS, G. Nível de qualidade de vida e de atividade física de professores de escolas públicas estaduais da cidade de Palhoça (SC). REMEFE. v. 11, n:1, p. 11-21, 2012.

GÓMEZ, Diego Tapia et al. Qualidade de vida em professores durante a pandemia de COVID-19: Comparação segundo nível de atividade física. Research, Society and Development, v. 11, n. 6, 2022.

MOREIRA, Anne Samilly Gomes; SANTINO Thayla Amorim; TOMAZ, Alecsandra Ferreira. Qualidade de vida de professores do ensino fundamental de urna escola da rede pública. Ciencia & trabajo. v. 19, n. 58, p. 20-25, 2017.

MOREIRA, Daniela Zanoni; RODRIGUES, Maria Beatriz. Saúde mental e trabalho docente. Estud. psicol. (Natal), Natal, v. 23, n. 3, p. 236-247, 2018.

PEREIRA, É. F.; TEIXIERA, C. S.; LOPES, A. S. Qualidade de vida de professores de educação básica do município de Florianópolis, SC, Brasil. Ciência e Saúde Coleti-va, v. 18, n. 7, p. 1963-1970, 2013.

RIBEIRO, Isadora de Queiroz Batista. Fatores ocupacionais associados à dor múscu-lo-esquelética em professores. 2020.

ROCHA, R. E. R. et al. Sintomas osteomusculares e estresse não alteram a qualidade de vida de professores da educação básica. Fisioterapia e Pesquisa,v. 24, p. 259-266, 2017.

SANTOS, M. C. S. et al. Association between chronic pain and leisure time physical activity and sedentary behavior in schoolteachers. Behavioral medicine, v. 44, n. 4, p. 335-343, 2018.

SILVA, Jóice Sanini da et al. Nível de Atividade Física e Qualidade de Vida dos Professores de Educação Física da Rede Escolar de Lajeado/RS. Ver. Brasileira de Ciências da Saúde. v. 23, n. 2, p. 179-184, 2019.

SILVA, Jorge Luiz Lima da et al. Prevalência da síndrome de Burnout entre professores da Escola Estadual em Niterói, Brasil. Enfermería actual de Costa Rica. n. 34, p. 14-25, 2018.

SOUSA, D. Ser Professor: Riscos psicossociais e consequências para a saúde e be-mestar no trabalho. Tese de Doutorado. Tese de mestrado. Faculdade de Ciências Humanas e Sociais. Universidade Fernando Pessoas, Porto. Portugal, 2016.

SOUZA, Cícero Santos et al. Distúrbios musculoesqueléticos relacionados ao trabalho de professores. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho, v. 19, n. 2, p. 140-150, 2021.

SOUZA, Edna Maria Rodrigues de; COUTINHO, Diógenes José Gusmão.Adoecimento das professoras das primeiras letras em Olinda: sintomas, queixas e diagnósticos.Educ.rev. v. 34, 2018.

SOUZA, Farney Vinícos Pinto. Adoecimento mental e o trabalho do professor. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, v. 21, n. 2, p. 103-117, 2018.

TEIXEIRA, A. C. M. C. O exercício físico e a qualidade de vida relacionada com a saúde em adultos. Tese de Doutorado. Universidade de Coimbra, 2017.

TOSTES, Maiza Vaz et al. Sofrimento mental de professores do ensino público. Saúde em Debate, v. 42, p. 87-99, 2018.

VIEIRA, Jarbas Santos; GONÇALVES, Vanessa Bugs; MARTINS, Maria de Fátima Duarte. Trabalho docente e saúde das professoras de educação infantil de Pelotas, Rio Grande do Sul. Trabalho, Educação e Saúde, v. 14, p. 559-574, 2016.

WHO. Guidelines on Physical Activity and Sedentary Behaviour. Geneva: World Health Organization; 2020.

Published

2023-10-16

How to Cite

da Silva, J. N., Oliveira, S. F., de Lima, P. B., Marinho, D. F., Kono, E. M., Barreto, G. A., de Sá, M. dos A. F., & Portela, R. P. (2023). Atividade física e qualidade de vida de professores da educação infantil. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(10), 16561–16574. https://doi.org/10.55905/oelv21n10-111

Issue

Section

Articles

Most read articles by the same author(s)