Assistência clínica a lésbicas e bissexuais: orientações aos profissionais de saúde

Authors

  • Jenniffer Kellen Pimenta Sena Souza
  • Caroline Reis Gonçalves
  • Isabela Guedes Paiva
  • Luiza Guedes Paiva
  • Elaine Vieira Cordeiro
  • Juliana Augusta Dias
  • Helisamara Mota Guedes

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n9-060

Keywords:

minorias sexuais e de gênero, diversidade de gênero, assistência integral à saúde

Abstract

Introdução: No atendimento à saúde da mulher no contexto das diversidades de gênero e de orientações sexuais, percebe-se um atendimento ginecológico deficiente, influenciado pelo estilo heteronormativo e binário no processo de acolhimento e atendimento pelos profissionais de saúde. OBJETIVO: Orientar profissionais de saúde na consulta clínica com mulheres lésbicas e bissexuais. METODOLOGIA: Revisão narrativa nas bases de dados Portal Regional da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), Scientific Eletronic Library Online (SciELO), na Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transsexuais, na Política Nacional de Atenção Básica e também no Instituto Nacional de Câncer. Os critérios de inclusão foram: publicações em português, inglês e espanhol, estar disponíveis gratuitamente no período de 2015 a 2020, temas referentes ao atendimento à saúde da mulher cis bissexual e homossexual. Foram encontrados 239 artigos, após análise foram selecionados 10, surgindo as categorias: Dificuldades de acesso ao serviço de saúde; formação profissional deficitária; Aspectos a serem abordados na consulta a mulher. CONCLUSÃO: Evidencia-se que o acesso da mulher lésbica e bissexual aos serviços de saúde é marcado por preconceito e diferença de tratamento. Faz-se necessária uma comunicação empática, e o desejo de promover uma consulta clínica direcionado às peculiaridades da diversidade sexual. Além das mulheres cis lésbicas e bissexuais, os homens trans e pessoas não binárias podem compartilhar o arcabouço biológico vulva-vagina. Optou-se por não abordar as especificidades desses grupos, mas registramos aqui esse ponto, para que a cada dia se produza também conteúdo de qualidade no cuidado à toda a população LGBTQIAP+.

References

ARAÚJO, L. M et al. O cuidado às mulheres lésbicas no campo da saúde sexual e reprodutiva. Rev enferm UERJ, v.27, e34262, 2019.

BRASIL. Lei no 8080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Casa Civil: Brasília, 1990. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080. htm>. Acesso em: 13 out. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução No 2, de 6 de dezembro de 2011. Estabelece estratégias e ações que orientam o Plano Operativo da Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, 2011.

DARC, L. Vem cá vamos conversar sobre a saúde sexual de lésbicas e bissexuais. Dita Livros: São Paulo, 2019.

FERNANDES M.; SOLER L.D.; LEITE M.C.B.P.; Saúde das mulheres lésbicas e atenção à saúde: nem integralidade, nem equidade diante das invisibilidades. BIS, Bol. Inst. Saúde (Impr.), v.19, n. 2, 2018.

FERREIRA, B. O.; BONAN, C. Abrindo os armários do acesso e da qualidade: uma revisão integrativa sobre assistência à saúde das populações LGBTT. Ciênc. saúde coletiva, v. 25, n. 5, p. 1765-1778, 2020.

FERREIRA, B. O.; PEDROSA, J. I. S.; NASCIMENTO, E. F. Diversidade de gênero e acesso ao Sistema Único de Saúde. Rev Bras Promoç Saúde, v.31, n.1, p.1-10, 2018.

INCA. Ministério da Saúde. Câncer do colo do útero. Inca: Brasil, 2020a. INCA. Ministério da Saúde. Câncer do colo do útero - versão para Profissionais

de Saúde. Inca: Brasil, 2018.

INCA. Ministério da Saúde. Estatísticas de câncer. Inca: Brasil, 2020b.

INCA. Ministério da Saúde. Quem pode ser vacinado pelo HPV? Inca: Brasil, 2020c.

NEGREIROS, F. R. N et al. Saúde de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transsexuais: da Formação Médica à Atuação Profissional. Rev. bras. educ. med., v. 43, n. 1, p. 23-31, 2019.

NOGUEIRA, F.J.S.; ARAGÃO, T. A. P. Política Nacional de Saúde Integral LGBT: O que ocorre na prática sob o prisma de usuários(as) e profissionais de saúde. Saúde e Pesquisa, v.12, n.3, p.463-470, 2019.

OLIVEIRA, G. S et al. Acesso de lésbicas, gays, bissexuais e travestis/ transexuais às Unidades Básicas de Saúde da Família. Rev Rene: João Pessoa, 2018a.

OLIVEIRA, G. S. et al. Serviços de saúde para lésbicas, gays, bissexuais e travestis/transsexuais. Rev enferm UFPE on line., v.12, n.10, p. 2598-609, 2018b.

PAULINO, D. B.; RASERA, E. F.; TEIXEIRA, F. B. Discursos sobre o cuidado em saúde de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais (LGBT) entre médicos da Estratégia Saúde da Família. Interface (Botucatu), v.23, e180279, 2019.

SANTANA, A.D.S et al. Dificuldades no acesso aos serviços de saúde por lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros. Rev enferm UFPE on line, v.14, p.1-12, 2020.

SILVA, A.C.A et al. Implementação da Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (PNSI LGBT) no Paraná, Brasil. Interface (Botucatu), v. 24, e190568, 2020.

Published

2023-09-15

How to Cite

Souza, J. K. P. S., Gonçalves, C. R., Paiva, I. G., Paiva, L. G., Cordeiro, E. V., Dias, J. A., & Guedes, H. M. (2023). Assistência clínica a lésbicas e bissexuais: orientações aos profissionais de saúde. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(9), 11626–11640. https://doi.org/10.55905/oelv21n9-060

Issue

Section

Articles