O internato regional de um curso de medicina como espaço para o fortalecimento de habilidades psicossociais: percepção dos internos

Authors

  • Lucas Ferreira Prata
  • Mirella Ferreira da Cunha Santos

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n9-057

Keywords:

internato de medicina, educação médica, estágio médico

Abstract

O Internato Regional é uma iniciativa educacional presente em vários cursos faculdades de medicina do país, proporcionando aos estudantes do último ano experiência prática em cidades do interior. Isso permite que os alunos atuem em diferentes contextos, beneficiando as comunidades locais ao aprimorar os serviços de saúde. Esta pesquisa analisou as repercussões biopsicossociais desse programa, a receptividade da comunidade aos acadêmicos, a visão dos alunos sobre a comunidade, o vínculo entre preceptores e internos, e a percepção das infraestruturas. Um questionário de 15 itens foi utilizado, distribuído via redes sociais com o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Os resultados foram analisados no software Jamovi 2.2.5, usando o teste qui-quadrado de Person (correção de Yates, significância de 5%). A maioria dos respondentes foi de mulheres, média de 26 anos, e o município de Mundo Novo/MS foi o principal local. Opiniões favoráveis dos alunos sobre as repercussões psicossociais do internato, relação com a comunidade e infraestrutura foram evidentes, embora com variações. Não foram encontradas associações estatísticas relevantes entre municípios e questões, devido à baixa amostragem e disparidades locais. Diferenças de gênero foram observadas, com mulheres expressando visões menos positivas sobre infraestrutura, habilidades de atendimento e empatia. Essa discrepância requer futuras investigações. O estudo destaca os benefícios do internato para alunos e a importância de mantê-lo, garantindo ganhos psicossociais e contribuindo para formação médica de qualidade.

References

BUDDEBERG-FISCHER,B. et al. The impact of gender and parenthood on physicians' careers: professional and personal situation seven years after graduation. BMC Health Services Research Zurich [online]. 2010. 10 (40); 1-10.

CASTRO, E. Governo assina convênio para internato de alunos de Medicina da UEMS. Disponível em: https://portal.uems.br/noticias/detalhes/governo-assina-convenio-com-municipios-para-internato-de-alunos-de-medicina-da-uems-203931. Acesso em 22/07/2022.

COSTA, F. D.; AZEVEDO, R. C. S. Empatia, relação médico-paciente e formação em medicina: um olhar qualitativo. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 34, n. 2, p. 261-269, jun. 2010.

DEGRAVE, A. M. L; FRAZÃO, V. D.; NATIVIDADE, J. C. Diferença de gênero para empatia: resultados empíricos, explicações evolucionistas. FERREIRA, M. J. M. et al. Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de Medicina: oportunidades para ressignificar a formação. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 23, supl. 1, e170920, 2019.

GARDENAL, R. V. C. et al. Estágio Supervisionado Regional: Visão do Aluno, Revista Brasileira de Educação Médica. Rio de Janeiro, v. 35, n. 4, p. 574-577, Dec. 2011. Disponível em:

GUIMARÃES, E. V. O internato Rural e a formação do profissional médico para o programa de Saúde da Família. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal de Minas Gerais. Faculdade de Medicina.

JOÃO, C. F. G. O uso da empatia na relação médico-paciente e na prática clínica. Orientador: Paulo dos Santos Duarte Vitória. 43 f. Dissertação (mestrado) – Curso de Medicina, Ciências da Saúde, Universidade da Beira Interior, Covilhã, 2019.

LENNON, R.; EISENBERG, N. Gender and age diferences in empathy and sympathy. In N. Eisenberg & J. Strayer (Eds.), Empathy and its development (pp. 195-217), 1987. Nova York Cambrigde University Press.

RUIZ, D. G.; FARENZEMA, G. J.; HARFFNER, L. S. B. Internato Regional e formação médica: percepção da primeira turma pós-reforma curricular. Revista Brasileira de Educação Médica. Rio de janeiro, v.34, n. 1, p 21-27, Mar. 2010.

SILVEIRA, R. P.; PINHEIRO, R. Internato rural na Amazônia: aspectos históricos, contexto atual e principais desafios. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.24, n.2, abr.-jun. 2017, p.371-390.

STARFIELD, B. Atenção primária e saúde. In: STARFIELD, B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades, serviços e tecnologia. Brasília: Unesco; Ministério da Saúde, 2002. p. 19-98.

SUCUPIRA, A. C. A importância do ensino da relação médico-paciente e das habilidades de comunicação na formação do profissional de saúde. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 11, n. 23, p. 624-627, Dec. 2007.

TARGA, L. V. et al. Internato médico rural na Serra Gaúcha: a experiência da Universidade de Caxias do Sul. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina, v.42, n. 1, p. 59-70, jan./jun. 2021.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL. Projeto político pedagógico do curso de Medicina da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. 2014.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Increasing access to health workers in remote and rural areas through improved retention: globalipolicy recommendations. Geneva (CHE): World Health Organization (WHO); 2010.

Published

2023-09-15

How to Cite

Prata, L. F., & Santos, M. F. da C. (2023). O internato regional de um curso de medicina como espaço para o fortalecimento de habilidades psicossociais: percepção dos internos. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(9), 11571–11586. https://doi.org/10.55905/oelv21n9-057

Issue

Section

Articles