Pandemia, crise econômica e desigualdade social em saúde no Maranhão: breve análise da cobertura de saúde suplementar

Authors

  • Diego de Sousa Silva
  • Pedro Eduardo Côrtes dos Santos Neto
  • Ricardo de Assis Dutra Santos
  • Thiago Emanuel Costa Dias
  • Flávia da Conceição Silva Reis
  • Itallo Alves dos Reis
  • Claudia de Sousa Fidelis
  • Elton Robson Sodré Menezes
  • Paloma Leônidas da Silva
  • Lucas da Silva Sousa
  • Letícia Batista Souza

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n12-008

Keywords:

Public Health, Supplemental Health, Insurance Health, Medical Assistance, Insurance Dental

Abstract

Este estudo faz uma análise da cobertura de saúde suplementar no estado do Maranhão, Brasil, tomando como base o princípio da desigualdade em saúde. Trata-se de uma pesquisa observacional, descritiva, de caráter transversal, realizada a partir de fonte bibliográfica e dados do Sistema de Informação de Beneficiários (SIB), da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). A análise considerou o período de 2011 a 2020. Os resultados mostraram que, a nível nacional, houve crescimento constante na adesão de novos planos de saúde privados, especialmente até 2015, totalizando 9,71%. No ano seguinte, com a crise econômica que afetou o país, a cobertura de planos de saúde suplementar apresentou queda significativa, seguida de um recuo pouco acentuado, a partir de 2017, e passando a ter maior preocupação devido a pandemia do coronavírus. No Maranhão, os números de cobertura de beneficiários expressam a mesma realidade. Mesmo com grande deficiência nos índices de desenvolvimento econômico e social, o estado manteve notável crescimento na saúde suplementar em todas as faixas etárias da população. Apenas dez empresas genuinamente maranhenses operam planos de saúde, cuja cobertura atinge somente 25% dos beneficiários. Os 75% restantes são clientes de empresas de outros estados.

References

ABRAMGE. Associação Brasileira de Planos de Saúde. São Paulo, 2015. Disponível em: http://adcap.org.br/index.php/crise-nos-planos-desaude/. Acesso: 08 out. 2020.

ABRAMGE. Associação Brasileira de Planos de Saúde. São Paulo, 2020. Disponível em: https://blog.abramge.com.br/saude-suplementar/osimpactos-da-covid-19-na-saude-suplementar/. Acesso: 10 out. 2020.

ANS. Agência Nacional de Saúde Suplementar. Dados Gerais - Consulta. Brasília, 2020. Disponível em: http://ans.gov.br/perfil-do-setor/dadosgerais/. Acesso: 08 out. 2020.

ANS. Agência Nacional de Saúde Suplementar. Resolução Normativa nº 453, de 12 de março de 2020b. Altera a Resolução Normativa - RN nº 428, de 07 de novembro de 2017, que dispõe sobre o Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde no âmbito da Saúde Suplementar, para regulamentar a cobertura obrigatória e a utilização de testes diagnósticos para infecção pelo Coronavírus. 2020.

BARATA, R. B. Desigualdades sociais em saúde. In: CAMPOS, G. W. S. et al. (Orgs.) Tratado de Saúde Coletiva. São Paulo, Rio de Janeiro: Hucitec, Editora Fiocruz, 2009.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF:

Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Lei nº 9.961, de 28 de janeiro de 2000. Cria a Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS e dá outras providências. DOU 2000; 28 jan.

BRASIL. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Legislação Estruturante do SUS / Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Brasília: CONASS, 2011. 534p.

CAETANO, Rosângela et al. Desafios e oportunidades para telessaúde em tempos da pandemia pela COVID-19: uma reflexão sobre os espaços e iniciativas no contexto brasileiro. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 36, n. 5, e00088920, 2020.

CFO. Conselho Federal de Odontologia. Estatísticas - Consulta. Brasília, 2020. Disponível em: <http://cfo.org.br/website/estatisticas/quantidadegeral-de-entidades-e-profissionais-ativos/>. Acesso: 08 out. 2020.

DAROS, Raphaella Fagundes et al. A satisfação do beneficiário da saúde suplementar sob a perspectiva da qualidade e integralidade. Physis, Rio de Janeiro, v. 26, n. 2, p. 525-47, 2016.

DAVID, Helena Maria Scherlowski Leal et al. Pandemia, conjunturas de crise e prática profissional: qual o papel da enfermagem diante da Covid19? Rev. Gaúcha Enferm., Porto Alegre, v. 42, n. e20200254, 2021. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/rgenf/article/view/107861. Acesso: 13 out. 2020.

EBC. Empresa Brasil de Comunicação. Agência Brasil. Brasília, 2017. Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2018-11/ansregistra-aumento-de-planos-odontologicos. Acesso: 08 out. 2020.

EBC. Empresa Brasil de Comunicação. Agência Brasil. Brasília, 2018. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencianoticias/2012-agencia-de-noticias/18469-expectativa-de-vida-do-brasileirosobe-para-75-8-anos. Acesso: 09 out. 2020.

FIORATTI, Iuri et al. A pandemia de COVID-19 e a regulamentação do atendimento remoto no Brasil: novas oportunidades às pessoas com dor crônica. BrJP, São Paulo, v. 3, n. 2, p. 193-4, Mar. 2020.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades. Brasília, 2013. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ma/panorama. Acesso: 07 out. 2020.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Portal. Brasília, 2018. Disponível em: https://ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/por-cidadeestado-estatisticas/. Acesso: 08 out. 2020.

MTE. Ministério Trabalho e Emprego. CAGED - Consulta. Brasília, 2020. Disponível em: https://caged.maisemprego.mte.gov.br/portalcaged/. Acesso: 08 out. 2020.

PAIM, J. S. Abordagens teórico-conceituais em estudo de condições de vida e saúde: notas para reflexão e ação. In: R. B. Barata (org.). Condições de vida e situação de saúde. Rio J.: Abrasco, p. 7-30, 1997.

PNUD - PLANO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2017 – Consulta. Brasília: PNUD, 2017. Disponível em: http://atlasbrasil.org.br/2017/consulta/. Acesso: 28 out. 2020.

PNAD CONTÍNUA. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua. IGBE – Consulta. Brasília: PNAD, 2017. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/sociais/rendimentodespesa-e-consumo.html. Acesso: 8 out. 2020.

RAMOS, Antônio Carlos Vieira et al. Estratégia Saúde da Família, saúde suplementar e desigualdade no acesso à mamografia no Brasil. Revista Panamericana de Salud Pública, v. 42, e166, 2018.

SEN, Amartya. Desenvolvimento como Liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

SESTELO, José Antônio de Freitas; SOUZA, Luis Eugenio Portela Fernandes de; BAHIA, Lígia. Saúde suplementar no Brasil: abordagens sobre a articulação público/privada na assistência à saúde. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 29, n. 5, p. 851-866, 2013. Disponível em: https://scielo.br/j/csp/a/6ZhqYXCMPVqLFRcTk3HTmWp. Acesso: 12 out. 2020.

VIEIRA, K. Atendimento da população masculina em unidade básica de saúde da família: motivos para a (não) procura. Esc Anna Nery, v. 17, n. 1, p. 120-7, 2013.

Published

2023-12-04

How to Cite

Silva, D. de S., dos Santos Neto, P. E. C., Santos, R. de A. D., Dias, T. E. C., Reis, F. da C. S., dos Reis, I. A., Fidelis, C. de S., Menezes, E. R. S., da Silva, P. L., Sousa, L. da S., & Souza, L. B. (2023). Pandemia, crise econômica e desigualdade social em saúde no Maranhão: breve análise da cobertura de saúde suplementar. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(12), 23589–23607. https://doi.org/10.55905/oelv21n12-008

Issue

Section

Articles