Estrutura e dinâmica da regeneração natural de Ouratea hexasperma (a. St.-hil.) Baill. em uma área de savana na Amazônia

Authors

  • Alison Pereira de Magalhães
  • Zenaide Palheta Miranda

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n9-019

Keywords:

densidade, taxa de recrutamento, taxa de mortalidade, distribuição espacial

Abstract

No contexto das ameaças que as savanas do Amapá enfrentam, onde a conversão em monocultivos fragmenta ecossistemas e coloca em risco espécies nativas como Ouratea hexasperma (A.St.-Hil.) Baill., esta pesquisa busca compreender a regeneração natural da espécie. Ao analisar a estrutura e dinâmica em uma área de savana amapaense, almejamos revelar sua estabilidade ao longo do tempo, com taxas de recrutamento superando as de mortalidade. Esse estudo aspira contribuir para a preservação das variedades genéticas em meio a esse cenário desafiador. Para avaliar a dinâmica da regeneração, foram calculadas a taxa de regeneração natural (TRN), a taxa de recrutamento (TR) e a taxa de mortalidade (TM) dos indivíduos. Os valores médios de TRN, TR e TM foram comparados por meio de análise de variância (ANOVA). A estrutura dos indivíduos em regeneração foi avaliada por meio da análise da distribuição das classes de altura, empregando o Algoritmo de Sturges. O padrão de distribuição espacial foi determinado usando o Índice de Morisita. As densidades de TRN e TR permaneceram relativamente estáveis durante os períodos de avaliação, não apresentando diferenças significativas, exceto para TM, que apresentou variação. As estruturas verticais apresentaram maior concentração de indivíduos nas classes iniciais de altura, indicando a presença de um banco de mudas. O. hexasperma apresentou um padrão de distribuição espacial agregado de 1,60 (X² = 23,20, α = 0,05). Como TRN e TR permaneceram inalterados entre os períodos, pode-se inferir que a população permanece estável, com TR consistentemente maior que TM. Consequentemente, foram observadas taxas de mortalidade mais altas nas classes de altura iniciais. O padrão de distribuição observado para O. hexasperma se alinha com o tipo agregado comumente encontrado entre as espécies de savana.

References

AQUINO, F. G.; WALTER, B. M. T.; RIBEIRO, J. F. Dinâmica de populações de espécies lenhosas de Cerrado, Balsas, Maranhão. Revista Árvore, v. 31, p. 793-803, 2007. https://doi.org/10.1590/S0100-67622007000500003.

BARBOSA, R. I. et al. The “Lavrados” of Roraima: biodiversity and conservation of Brazil’s Amazonian Savannas. Functional Ecosystems and Communities, v. 1, n. 1, p. 29-41, 2007.

BERNASOL, W. P.; LIMA-RIBEIRO, M. S. Estrutura espacial e diamétrica de espécies arbóreas e seus condicionantes em um fragmento de cerrado sentido restrito no sudoeste goiano. Hoehnea, São Paulo, v. 37, n. 2, p. 181-198, 2010. https://doi.org/10.1590/S2236-89062010000200001.

CAMILOTTI, D. C. et al. Análise da vegetação arbórea de um remanescente de Cerradão em Bandeirantes, Mato Grosso do Sul, Brasil. Iheringia, Série Botânica., v. 66, n. 1, p. 31-46, 2011.

CARVALHO, W. D.; MUSTIN, K. The highly threatened and little know Amazonian savannahs. Nature Ecology and Evolution, v. 1, 2017. https://doi.org/10.1038/s41559-017-0100.

CASTRO, T.C.; CARVALHO, J.O.P. Dinâmica das Populações de Abius em uma área sob Manejo na Floresta Nacional do Tapajós, PA. In: SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UFRA, 6.; SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA EMBRAPA AMAZÔNIA ORIENTAL, 12., Belém. Anais... Belém: [UFRA]. 2008.

CONDIT, R. et al. Spatial pattern in the distribution of tropical tree species. Science, v. 288, p. 1414-1418, 2000.

COSTA NETO, S. V. Fitofisionomia e florística de savanas do Amapá. Tese (Doutorado em Ciências Agrárias) – Universidade Federal Rural da Amazônia/Embrapa Amazônia Oriental, Belém, 2014.

DURIGAN, G. et al. Caracterização de dois estratos da vegetação em uma área de cerrado no município de Brotas, SP, Brasil. Acta Botanica Brasilica, v. 16, n.3, p. 251-262. 2002. https://doi.org/10.1590/S0102-33062002000300002.

FELFILI, J. M. et al. Recuperação de matas de galeria. Brasília, DF: Embrapa Cerrado, v. 21, n. 1. P. 45-45. 2000.

FELFILI, J. M. Crescimento, recrutamento e mortalidade na mata de galeria do Gama no Brasil central durante um período de seis anos (1985-1991). Journal of tropical ecology , v. 11, n. 1, pág. 67-83, 1995.

FERREIRA, F. G. Floresta estacional secundária: aspectos da dinâmica e manejo no bioma Cerrado. 2016. 113 f. Tese de Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Agronomia) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2016.

FERREIRA, R. Q. S. et al. Fitossociologia e estrutura diamétrica de um cerrado sensu stricto, Gurupi, TO. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 10, n. 1, p. 36, 2015. https://doi.org/10.18316/1981-8858.16.24.

FREITAS, M. K. C. et al. Variabilidade fenotípica e caracterização morfológica de uma população natural de Hancornia speciosa Gomes. Bioscience Journal, Uberlândia, v. 28, n. 5, p. 833-841, 2012.

FROST, P. H. G.; ROBERTSON, F. The ecological effects of fire in savannas. In ‘Determinants of Tropical Savannas’.(Ed. BH Walker) pp. 93–141. 1987.

GOMES, L. et al. Dynamics of the woody vegetation of two areas of Cerrado sensu stricto located on different substrates. Rodriguésia, Rio de Janeiro, v. 67, n. 4, p. 859-870, 2016. https://doi.org/10.1590/2175-7860201667401.

GUREVITCH, J. et al. Ecologia Vegetal. Porto Alegre: Artmed, 592 p. 2009.

HAY, JOHN D. et al. Comparação do padrão da distribuição espacial em escalas diferentes de espécies nativas do cerrado, em Brasília, DF. Brazilian Journal of Botany, v. 23, p. 341-347, 2000.

https://doi.org/10.1590/S0100-84042000000300008

HENRIQUES, R. P. B.; HAY, J. D. Patterns and dynamics of plant populations. In: OLIVEIRA, P. S.; MARQUIS, R. J. (Ed.). The cerrados of Brazil. New York: Columbia University Press, 2002. p. 140-158. https://doi.org/10.7312/oliv12042-009.

HETT, J. M.; LOUCKS, O. L. Age structure models od balsam fir and eastern hemlock. Journal of Ecology, v. 64, n. 3, p. 1029-1044, nov. 1976. https://doi.org/10.2307/2258822.

HOFFMANN, W. A. Fire and population dynamics of woody plants in a neotropical savanna: matrix model projections. Ecology, v. 80, n. 4, p. 1354-1369, 1999. https://doi.org/10.1890/0012-9658(1999)080[1354:FAPDOW]2.0.CO;2.

HOFFMANN, W. A. Post-burn reproduction of woody plants in a neotropical savanna: the relative importance of sexual and vegetative reproduction. Journal of Applied Ecology, v. 35, p. 422-433, 1998. https://doi.org/10.1046/j.1365-2664.1998.00321.x.

HOFFMANN, W. A., E. L. et al. Ecological thresholds at the savanna-forest boundary: how plant traits, resources and fire govern the distribuition of tropical biomes. Ecology Letters 15: 759-768. 2012. https://doi.org/10.1111/j.1461-0248.2012.01789.x.

HOWE, Henry F. Survival and growth of juvenile Virola surinamensis in Panama: effects of herbivory and canopy closure. Journal of tropical ecology, v. 6, n. 3, p. 259-280, 1990. https://doi.org/10.1017/S0266467400004508.

JARDIM, F. C. S. Natural regeneration in tropical forests. Revista de Ciências Agrárias, Belém, v. 58, n. 1, p. 105-113, 2015. https://doi.org/10.4322/rca.1676.

JARDIM, F. C. Taxa de regeneração natural na floresta tropical úmida. Acta Amazonica, v. 17, p. 401-410, 1987. https://doi.org/10.1590/1809-43921987171410.

KHUMBONGMAYUM, A. D. et al. Survival and growth of seedlings of a few tree species in the four sacred groves of Manipur, Northeast India. Current Science, v. 88, n. 11, p. 1781-1788, 2005.

LEVEBVRE, I. M. D.; NASCIMENTO, A. T. Densidade e aspectos populacionais de Dalbergia miscolobium Benth. em um fragmento de cerrado sensu stricto, Uberlândia, Minas Gerais. Iheringia, Porto Alegre, v. 71, n. 1, p. 85-92, 2016.

LIMA, I. L. P. et al. Sustainable harvest of mangaba (Hancornia speciosa) fruits in northern Minas Gerais, Brasil. Economic Botany, New York, v. 67, n. 3, p. 234-243, 2013. https://doi.org/10.1007/s12231-013-9244-5.

LÚCIO, D.M. et al. Spatial Pattern And Allometry Of A Key Tree For The Agroindus-try Sector: Hancornia speciosa Gomes. FLORESTA, v. 52, p. 277-283, 2022. http://dx.doi.org/10.5380/rf.v52i2.76810.

LUDWING, J.A.; REYNOLDS, J.F. Statistical ecology: a primer on methods and computing. New York: John Wiley & Sons. p. 337. 1988.

MARANGON, L. C. et al. Relações florísticas, estrutura diamétrica e hipsométrica de um fragmento de floresta estacional semidecidual em Viçosa (MG). Floresta, v. 38, n. 4, 2008. https://doi.org/10.5380/rf.v38i4.13166.

MARIMON, B. S.; FELFILI, J. M. Distribuição de diâmetros e alturas na floresta monodominante de Brosimum rubescens Taub. na Reserva Indígena Areões, Água Boa-MT, Brasil. Revista Árvore, v. 24, n. 2, p. 143-150, 2000.

MEDEIROS, M. B; MIRANDA, H. S. Rebrota pós-fogo e mortalidade em espécies vegetais lenhosas do cerrado ao longo de um período de três anos. Edinburgh Journal of Botany, v. 65, n. 1, p. 53-68, 2008.

MEDEIROS, M. M. et al. Comparação florístico-estrutural dos estratos de regeneração e adultos em cerrado sensu stricto no Brasil Central. Cerne, v. 13, n. 3, p. 291-298, 2007.

MEIRA, M. R. et al. Caracterização estrutural do barbatimão (Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville) no Cerrado do norte de Minas Gerais. Ciência Florestal, v. 26, p. 627-638, 2016. https://doi.org/10.5902/1980509822762.

MEIRELLES, M.L.; LUIZ, A.J.B. Padrões espaciais de árvores de um cerrado em Brasília, DF. Revista Brasileira de Botânica, v. 18, n. 2, p. 185-189, 1995.

MEWS, H. A. Dinâmica da comunidade lenhosa de uma floresta estacional semidecidual na transição Cerrado-Floresta Amazônica, leste de Mato Grosso, Brasil. Dissertação de Mestrado. Universidade do Estado de Mato Grosso, Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Conservação. Nova Xavantina, 2010.

MIRANDA, A. C. et al. Soil and air temperatures during prescribed cerated fires in Central Brazil. Journal of tropical ecology, v. 9, n. 3, p. 313-320, 1993. https://doi.org/10.1017/S0266467400007367.

MIRANDA, H. S. et al. Comportamento do fogo em queimadas de campo sujo. Impactos de queimadas em áreas de cerrado e restinga, p. 1-10, 1996.

MORISITA, M. Estimation of population density by spacing methods. Memoirs of the Faculty Science, Kyushu University, serie (E) biology 1: 187-197, 1954.

MORY, A. M.; JARDIM, F. C. S. Comportamento de Goupia glabra Aubl. (Cupiúba) em diferentes níveis de desbaste por anelamento em florestas naturais. Revista de Ciências Agrárias. n. 36, p. 55-66, 2001.

MUSTIN, K et al. Biodiversity, threats and conservation challenges in the cerrado of Amapá, an Amazonian Savanna. Nature Conservation, v. 22, p. 107-127, 2017. https://doi.org/10.3897/natureconservation.22.13823.

OLIVEIRA, P.E.A.M.; RIBEIRO, J.F.; GONZALES, M.I. Estrutura e distribuição espacial de uma população de Kielmeyera coriacea Mart. de cerrados em Brasília. Revista Brasileira de Botânica, v. 12, p. 39-47, 1989.

OLIVEIRA-FILHO, A. et al. Composição florística e estrutura comunitária de um remanescente de floresta semidecídua montana em Lavras, MG. Revista brasileira de botânica, v. 17, n. 2, p. 167-182, 1994.

OLIVERAS, I.; MALHI, Y. Many shades of green: the dynamic tropical forest – savannah transition zones. Philosophical Transactions of the Royal Society B, United Kingdom, v. 371, p. 20150308, 2016. https://doi.org/10.1098/rstb.2015.0308.

PALMA, A. C.; LAURANCE, S. G. W. A review of the use of direct seeding and seedling plantings in restoration: what do we know and where should we go? Applied Vegetation Science, v. 18, p. 561-568, 2015. https://doi.org/10.1111/avsc.12173.

PELIZZARO, K. F et al. “Cerrado” restoration by direct seeding: field establishment and initial growth of 75 trees, shrubs and grass species. Brazilian Journal of Botany, São Paulo, v. 40, n. 3, p. 681-693, 2017. https://doi.org/10.1007/s40415-017-0371-6.

PESSOA, O. A. A. Evolução Temporal do Comportamento Espectral de área Queimada em Formação Campestre do Cerrado, 2014. 104 f. Dissertação (mestrado em Geociências Aplicadas) - Universidade de Brasília, Brasília, 2014.

RAW, A.; HAY, J.D. Fire and other factors affecting a population of Simarouba amara in cerradão near Brasília, Brazil. Revista Brasileira de Botânica, v. 8, p. 101-107. 1985.

SABOYA, P.; BORGHETTI, F. Germination, initial growth, and biomass allocation in three native cerrado species. Brazilian Journal of Botany, v. 35, n. 2, p. 129-135, 2012. https://doi.org/10.1590/S1806-99592012000200002.

SALLES, J. C.; SCHIAVINI, I. Estrutura e composição do estrato de regeneração em um fragmento florestal urbano: implicações para a dinâmica e a conservação da comunidade lenhosa. Acta Botânica Brasílica, v. 21, n. 1, p. 223-233. 2007. https://doi.org/10.1590/S0102-33062007000100021.

SANTOS, B. S. Comunidade de regeneração natural de uma área de cerradão. 2020.47 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2020.

SANTOS, C. A. N.; JARDIM, F. C. S. Dinâmica da regeneração natural de Vouacapoua americana com diâmetro< 5 cm, influenciada por clareiras, em Moju, Pará. FLORESTA, v. 42, n. 3, p. 495-508, 2012. https://doi.org/10.5380/rf.v42i3.29336.

SILVA JÚNIOR, M. C.; SARMENTO, T. R. Comunidades lenhosas no Cerrado sentido restrito em duas posições topográficas na estação ecológica do Jardim Botânico de Brasília, DF, Brasil. Rodriguésia, v. 60, p. 277-294, 2009. https://doi.org/10.1590/2175-7860200960204.

SOUCHIE, F.F. et al. Post-fire resprouting strategies of woody vegetation in the Brazilian savanna. Acta Botânica Brasílica. v. 31, p. 260–266, 2017. Disponível: https://doi.org/10.1590/0102-33062016abb0376.

SOUTO, M. A. G. Dinâmica da regeneração natural de um cerrado sensu stricto no nordeste do estado de São Paulo. 2017. 141f. Tese (Doutorado em Ciências) – Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2017.

SOUZA, A. J. B. Estrutura e dinâmica da vegetação lenhosa de cerrado sensu stricto no período de 19 anos, na Reserva Ecológica do IBGE, Distrito Federal, Brasil. 2010.

SOUZA, A. L et al. Dinâmica da regeneração natural em uma floresta ombrófila densa secundária, após corte de cipós, Reserva Natural da Companhia Vale do Rio Doce SA, Estado do Espírito Santo, Brasil. Revista Árvore, v. 26, p. 411-419, 2002. https://doi.org/10.1590/S0100-67622002000400003.

SOUZA, F. M. S. Efeitos do fogo na regeneração natural e nas características de materiais combustíveis em Floresta Estacional Semidecidual. 2020. 59 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa – MG, 2020.

STURGES, H. A. The choice of a class interval. Journal of the american statistical association, v. 21, n. 153, p. 65-66, 1926. https://doi.org/10.1080/01621459.1926.10502161.

TAVARES, J. P. N. Características da climatologia de Macapá-AP. Caminhos de geografia, v. 15, n. 50, p. 138-151, 2014. https://doi.org/10.14393/RCG155026031.

TOMLINSON, K. W et al. Biomass partitioning and root morphology of savanna trees across a water gradient. Journal of Ecology, v. 100, n. 5, p. 1113-1121, 2012. https://doi.org/10.1111/j.1365-2745.2012.01975.x.

VIEIRA, D. S et al. Estrutura populacional e padrão de distribuição espacial de Pouteria cladantha Sandwith em uma floresta sob regime de manejo sustentável, Pará. Biota Amazônia, Macapá, v. 4, n. 3, p. 42-47, 2014. https://doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v4n3p42-47.

WHELAN, R. J. The ecology of fire. Cambridge university press, 1995.

ZEE. Zoneamento Econômico Ecológico. Macrodiagnóstico do Estado do Amapá: primeira aproximação do ZEE. Macapá: GEA/IEPA, 2008. 140 p.

ZIMMERMANN, A. P. L et al. Regeneração natural de espécies comerciais em uma área antropizada na floresta estacional decidual, RS. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, Recife, v. 6, n. 3, p. 1-14, set./dez. 2017. https://doi.org/10.47209/2317-5729.v.6.n.3.p.7-14

Published

2023-09-04

How to Cite

de Magalhães, A. P., & Miranda, Z. P. (2023). Estrutura e dinâmica da regeneração natural de Ouratea hexasperma (a. St.-hil.) Baill. em uma área de savana na Amazônia. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(9), 10820–10841. https://doi.org/10.55905/oelv21n9-019

Issue

Section

Articles